Matéria especial

Por Marco Lipay - São Paulo, SP

A urologia em tempos de pandemia

A pandemia de COVID-19 tornou obrigatória, entre as medidas de enfrentamento, a garantia de informações claras e precisas sobre o atendimento das várias demandas ambulatoriais e hospitalares.

 

A Agência Nacional de Saúde (ANS) em sua Resolução Normativa (RN) nº 259, em reunião extraordinária realizada no dia 25/03/2020 regulou os prazos de atendimento para a realização de consultas, exames, terapias e cirurgias que não sejam urgentes.

 

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia, em consonância com o Colégio Brasileiro de Cirurgiões e a Associação Médica Brasileira, recomendou a suspensão de procedimentos cirúrgicos / anestésicos eletivos em todo o Brasil, temporariamente, excetuando-se casos em que possa haver prejuízo aos pacientes pela questão tempo-dependente, tais como: operações oncológicas (câncer), cardíacas, obstétricas, entre outras, com rigorosa avaliação prévia do médico assistente.

 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) encaminhou no último dia 19 de março um ofício ao ministro da Saúde, Dr. Luiz Henrique Mandetta, informando a decisão de  reconhecer a possibilidade e a eticidade de uso da telemedicina no país, além do que está estabelecido na Resolução CFM nº 1.643/2002, que continua em vigor. A decisão vale em caráter excepcional e enquanto durar o combate a pandemia de COVID-19.

 

Desse modo, mesmo com os consultórios fechados é possível a manutenção de atendimento adequado na fase crítica da pandemia que deve iniciar no próximo mês de abril.

A Sociedade Brasileira de Urologia já orientou toda a comunidade urológica quanto a importância das informações tratadas com responsabilidade.  Algumas vezes o urologista estará diante de uma urgência ou emergência e precisará internar ou até mesmo submeter o seu paciente a um procedimento cirúrgico entre eles: infecção do trato urinário com ou sem obstrução urinária por um cálculo renal, abscesso urológicos, torção de testículo, retenção urinária em que não é possível realizar sondagem, hemorragias de origem urinária, gestantes com unidade reno-ureteral obstruída por cálculo renal, fratura de pênis, prótese de pênis infectada, priapismo ( ereção dolorosa e prolongada sem relação com ato sexual), câncer ( rim, ureter, bexiga, próstata, testículos, pênis), transplante renal com doador cadáver, entre outras. Já as cirurgias eletivas como: correção de varizes no escroto (varicocele), água no escroto (hidrocele), vasectomias, cirurgias de próstata para melhorar o fluxo urinário por hiperplasia prostática benigna, fimose entre outras, devem ser postergadas. Recomenda-se que durante esse período você esteja próximo de seu Urologista, pelo celular, whattsapp, site ou redes sociais.

 

Neste momento de enfrentamento, pensar no social é fundamental. Laves as mãos com água e sabão com frequência, use álcool gel a 70% quando não encontrar uma pia por perto e tome cuidado com queimaduras.  Evite aglomerações e mantenha o isolamento social conforme as orientações da Organização Mundial da Saúde. Caso você tenha mais de 60 anos, fique em casa e solicite ajuda de algum familiar ou amigo. Nunca faça uso de remédios sem orientação médica. Juntos venceremos a crise.

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicações do texto

Veja também

Cálculo Renal

Dados apresentados pela Sociedade Brasileira de Urologia Secção São Paulo, no último mês, mostram que os cálculos renais são altamente prevalentes em todo o mundo e vem aumentando nos últimos anos devido as mudanças de hábitos.

Disfunção Erétil

Há praticamente 30 anos, a disfunção erétil (DE) é reconhecida como um problema de saúde masculina, considera-se até mesmo como um marcador ou indicador para outras doenças. O paciente vai ao consultório do Urologista com queixas de falha de ereção e o médico descobre outras doenças.

HPV

Dados do Ministério da Saúde mostram que aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo têm HPV e dessa população, estima-se que um terço estão infectadas pelo subtipo 16 e 18 e são estes, os tipos virais, que desenvolvem a maioria dos casos de câncer de colo do útero.

Topo

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

*Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

*Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

*Residência Em Urologia pelo Instituto de Urologia e Nefrologia de São José do Rio Preto

*Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

*Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

*Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereços:
Consultório
Rua Cantagalo, 692
Tatuapé, 03319-000
São Paulo - SP - Brasil