PROSTATITE

O que é prostatite e porque incomoda tanto os homens?

Por Marco Lipay - São Paulo, SP

A prostatite é a inflamação da próstata que acomete, preferencialmente, homens entre 30 e 50 anos e manifesta-se tanto de forma aguda como crônica.

 

Lembramos que a próstata é uma glândula, de aproximadamente 25 gramas no homem jovem, e está situada abaixo da bexiga e acima do reto (porção terminal do intestino). Pela próstata passa a uretra, estrutura anatômica que conduz a urina da bexiga para o meio externo. A próstata tem como função principal a produção do líquido seminal e nutrição dos espermatozoides (reprodução), além de outras funções como controle miccional; orgasmo e defesa nas infecções.

 

A prostatite aguda é a forma mais preocupante e os sintomas se manifestam de modo bastante rápido. Muitas vezes é desencadeada por uma bactéria e o tratamento deve ser imediato.

Os sintomas são exuberantes e refletem uma doença grave. O paciente pode referir ardor na uretra, urgência miccional, sangue na urina, secreção uretral, febre, além de dor dentro ou à volta do pênis, testículos, ânus e abdome inferior. Essa infecção pode evoluir para retenção urinária aguda e necessitar de sondagem (drenagem da urina) e hospitalização.

 

A prostatite aguda mais comum é causada pela bactéria Escherichia Coli, porém outras bactérias como Proteus, Klebsiella, Enterobacter, Pseudomonas e Serratia também podem desencadear os mesmos sintomas e gravidade.

Existem formas menos frequentes de Prostatite que estão relacionadas a tuberculose (Mycobacterium tuberculosis), prostatite micótica causadas por fungos e também ao ato sexual (Neisseria gonorrhoeae).

 

 Os fatores de risco para prostatite aguda incluem: diabetes, problemas intestinais, uso de imunossupressores como corticoides e quimioterápicos, passado recente de infecção urinária, uso de sonda urinária de demora, biópsia de próstata (para o diagnóstico de câncer de próstata), infecção sexualmente transmissível (DST), ser soropositivo para o HIV ou ter realizado sexo anal sem preservativo.

 

Na prostatite crônica os sintomas surgem e desaparecem por um período de vários meses e geralmente não é causado por uma infecção bacteriana. Os pacientes relatam dor dentro e ao redor do seu pênis, testículos, ânus, parte inferior do abdômen ou parte inferior das costas, sem febre.

 

Os fatores de risco para prostatite crônica incluem passado de prostatite aguda, condições abdominais dolorosas como síndrome do cólon irritável, má formação anatômica no trato urinário ou porção terminal do intestino.

O tratamento da prostatite aguda (em que os sintomas são súbitos e graves) inclui analgésicos e um ciclo de antibióticos de duas a quatro semanas e em algumas situações o tratamento hospitalar pode ser necessário. As principais complicações são raras quando o início do tratamento é precoce e o curso recomendado de antibiótico é utilizado adequadamente, mas podemos observar, em algumas situações: retenção urinária aguda; abscesso prostático e até sepse (infecção generalizada).

 

O tratamento da prostatite crônica (em que os sintomas surgem e desaparecem por vários meses) geralmente visa controlar os sintomas com analgésicos e anti-inflamatórios, além de remédios que melhoram a dinâmica miccional a partir do relaxamento da musculatura do colo da bexiga e próstata.

 

O diagnóstico faz-se identificando os sinais e sintomas, além de examinar o paciente e solicitar exames complementares de urina, sangue, esperma e imagem como ultrassonografia e/ou tomografia.

 

A prostatite não é câncer de próstata e atualmente não há evidências claras de que ela aumenta suas chances de desenvolver o tumor.

 

O importante é identificar o problema nas fases iniciais e iniciar o tratamento precocemente a fim de evitarmos complicações severas e até a morte. Converse com o seu urologista sempre que tiver uma suspeita de prostatite.

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicações do texto

Veja também

Cálculo Renal

Dados apresentados pela Sociedade Brasileira de Urologia Secção São Paulo, no último mês, mostram que os cálculos renais são altamente prevalentes em todo o mundo e vem aumentando nos últimos anos devido as mudanças de hábitos.

Câncer de Rim

É importante destacar que o tumor de rim está entre os 10 tipos de neoplasias mais frequentes no mundo e o carcinoma de células renais é o tipo tumoral mais comum.

Saúde de Adolescentes

Uma pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Urologia apresentou resultados preocupantes e deixou clara a necessidade de adolescentes do sexo masculino terem outra postura em relação ao atendimento médico. Os benefícios disso? Prevenir doenças e garantir o início de uma vida sexual mais saudável.

TOP

TOP

TOPO

TOP

TOP

TOP

Topo

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

*Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

*Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

*Residência Em Urologia pelo Instituto de Urologia e Nefrologia de São José do Rio Preto

*Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

*Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

*Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereços:
Consultório
Rua Cantagalo, 692
Tatuapé, 03319-000
São Paulo - SP - Brasil