Infecções Sexualmente Transmissíveis

Um perigo nem sempre visível

Por Marco Lipay - São Paulo, SP

A cada dia, há mais de 1 milhão de novos casos de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) curáveis entre pessoas de 15 a 49 anos, conforme dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no último ano. Isso equivale a mais de 376 milhões de novos casos anuais de quatro infecções: clamídia, gonorreia, tricomoníase e sífilis. No Brasil esses números também estão elevando-se, segundo o Ministério da Saúde.

A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passou a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque existe a possibilidade de uma pessoa transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas.

 

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) são causadas por microrganismos como vírus, bactérias, fungos e protozoários e pode ocorrer por:

• contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha masculina ou feminina;

• materno-fetal (da mãe para a criança durante a gestação, no parto ou na amamentação);

• meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.

 Existem diversos tipos de infecções sexualmente transmissíveis, mas os exemplos mais conhecidos são:

• Herpes genital,

• Papiloma Vírus Humano (HPV),

• Uretrites por gonorreias e clamídias,

• Cancro,

• Sífilis,

• HIV,

• Hepatites virais B e C,

• Linfogranuloma Venéreo,

• Tricomoníase,

• Donovanose e infecção pelo HTLV.

 

As IST podem se manifestar por meio de feridas, corrimentos e verrugas genitais, entre outros possíveis sintomas, como dor pélvica, ardência ao urinar, lesões de pele, palma das mãos, olhos, somado ao aparecimento de ínguas em qualquer parte do corpo.

 

Sempre que se perceber algum sinal ou sintoma, a orientação é de procurar o serviço médico o mais breve possível, independentemente de quando foi a última relação sexual.

 

Algumas IST podem não apresentar sinais e sintomas, e se não forem diagnosticadas e tratadas, podem levar a graves complicações, como infertilidade, câncer, problemas neurológicos, psiquiátricos e até morte. Por isso, é importante fazer exames laboratoriais para verificar se houve contato com alguma pessoa que tenha IST, após ter relação sexual.

 

As principais características, de acordo com os tipos de infecções sexualmente transmissíveis, no homem, são:

• Secreções no meato uretral, que pode ser esbranquiçada, esverdeada ou amarelada, podem ter cheiro forte e/ou causar coceira, pode provocar dor ao urinar ou durante a relação sexual.

 

Exemplo de IST com secreções: gonorreia, clamídia e tricomoníase.

 

• Feridas aparecem nos órgãos genitais ou em qualquer parte do corpo, com ou sem dor,

o Os tipos de feridas são muito variados e podem se apresentar como vesículas, úlceras, manchas, entre outros.

 

Exemplo de IST com feridas: sífilis, herpes genital, cancro, donovanose e linfogranuloma venéreo.

 

• Verrugas:  são causadas pelo Papilomavírus Humano (HPV) e podem aparecer em forma de couve-flor, quando a infecção está em estágio avançado, em geral, não doem, mas pode ocorrer irritação ou coceira, atinge os órgãos genitais, boca, língua, garganta, períneo e ânus.

 

O diagnóstico é realizado após uma conversa detalhada (anamnese) somado a um exame físico detalhado e solicitação de exames laboratoriais específicos, além disso, sempre que disponíveis devem ser realizados exames para triagem de sífilis, HIV e hepatites B e C.

 

É importante ressaltar que, mesmo que não haja sinais e sintomas, as IST podem estar presentes e ser, inclusive, transmissíveis. O Ministério da Saúde vem incentivando a realização do teste rápido como importante estratégia de saúde pública na ampliação do diagnóstico.

 

De maneira particular, os testes rápidos são testes nos quais a execução, leitura e interpretação do resultado ocorrem em, no máximo, 30 minutos, sem a necessidade de estrutura laboratorial. Hoje, o Ministério da Saúde distribui aos serviços de saúde do SUS os testes rápidos para HIV, sífilis e hepatites B e C.

 

O tratamento é especifico para cada caso diagnosticado, além disso é necessário notificar as autoridades sanitárias e orientar a pessoa com quem você teve relação sexual. Essa atitude pode interromper outras transmissões e reinfecções.

 

Converse com seu médico ou um Urologista, ele saberá avaliar o seu problema e indicar a melhor forma de tratamento.

 

Fonte Consultadas:

Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde, Associação Medica Brasileira, Sociedades Brasileira de Infectologia e Urologia.

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicações do texto

 

Veja também

Disfunção Erétil

Há praticamente 30 anos, a disfunção erétil (DE) é reconhecida como um problema de saúde masculina, considera-se até mesmo como um marcador ou indicador para outras doenças. O paciente vai ao consultório do Urologista com queixas de falha de ereção e o médico descobre outras doenças.

Ejaculação Precoce

Segundo a Sociedade Internacional de Medicina Sexual a Ejaculação Precoce (EP) ocorre em um período menor que três minutos da penetração vaginal. A ejaculação quando ocorre mais cedo do que um homem deseja é conhecido como ejaculação rápida. Essas situações podem levar a frustrações do homem ou do casal, resultando ate mesmo na perda de interesse da atividade sexual ou rebaixar severamente a autoestima do homem que ejacula precocemente.

HPV

Dados do Ministério da Saúde mostram que aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo têm HPV e dessa população, estima-se que um terço estão infectadas pelo subtipo 16 e 18 e são estes, os tipos virais, que desenvolvem a maioria dos casos de câncer de colo do útero.

TOP

TOP

TOPO

Topo

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

*Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

*Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

*Residência Em Urologia pelo Instituto de Urologia e Nefrologia de São José do Rio Preto

*Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

*Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

*Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereços:
Consultório
Rua Cantagalo, 692
Tatuapé, 03319-000
São Paulo - SP - Brasil