CÂNCER DE RIM

Câncer de Rim pode ser diagnosticado precocemente

Por Marco Lipay - São Paulo, SP

Os rins são órgãos de cor vermelho escuro, semelhantes a feijões pesando aproximadamente 150g e estão localizados na porção superior da região lombar.

 

Várias são as funções do rim:

Filtrar o sangue e eliminar substâncias nocivas,

Manter o equilíbrio do pH sanguíneo e de eletrólitos,

Controlar a eritropoiese (produção de células vermelhas do sangue),

Produzir hormônios (aldosterona e prostaglandinas).

A American Cancer Society estima que em 2019 haverá, nos Estados Unidos, cerca de 73.820 novos casos de câncer renal e aproximadamente 14.770 pessoas morrerão desta neoplasia, lembrando que a idade média do diagnóstico é 64 anos.

 

É importante destacar que o tumor de rim está entre os 10 tipos de neoplasias mais frequentes no mundo e o carcinoma de células renais é o tipo tumoral mais comum.

A incidência do câncer de rim em estágio inicial aumentou nos últimos anos e uma razão para isso é o uso disseminado do ultrassom e da tomografia computadorizada como métodos diagnósticos.

 

O tumor renal normalmente é assintomático nos estágios iniciais e quando avançado o paciente pode apresentar sinais e sintomas como:

-Sangue na sua urina

-Dor nas costas ou abdome

-Perda de apetite

-Emagrecimento inexplicável

-Cansaço

-Anemia

-Febre intermitente

 

As causas que desencadeiam o esse câncer não estão claras, mas vários fatores de risco são considerados e destacamos alguns:

-Idade avançada

-Tabagismo

-Obesidade

-Hipertensão arterial

-Paciente com insuficiência renal crônica que necessite de diálise

-Algumas síndromes herdadas (doença de Von Hippel-Lindau, síndrome de Birt-Hogg-Dube)

-Portadores de esclerose tuberosa

-Câncer renal hereditário

 

Exposição profissional a certas substâncias, como por exemplo: cádmio (um tipo de metal), alguns herbicidas e solventes orgânicos.

 

A cirurgia (nefrectomia) é a principal forma de tratamento, que pode remover apenas uma parte do rim ou a sua totalidade. E para esta decisão considera-se a extensão, volume e localização do tumor.

 

A nefrectomia pode ser realizada de modo convencional (aberta) ou por técnicas minimamente invasivas como a videolaparoscopia ou a cirurgia robótica. A melhor conduta é definida entre o paciente e o urologista após análise de vários fatores como:

-Características do tumor (tamanho, volume e localização)

-Condições clínicas, doenças associadas e idade do paciente

-Condições técnicas do hospital

-Experiência profissional

 

Ainda mencionamos que existem outras formas de tratamento, para tumores pequenos; localizados; e em estágios iniciais, como:

 

Ablação por Crioterapia:

A crioablação usa frio extremo para destruir o tumor. Uma sonda é inserida no tumor através da pele ou durante a laparoscopia. Gases muito frios são passados ​​através da sonda, criando uma bola de gelo na ponta que destrói a neoplasia.

 

Ablação por radiofrequência:

Essa técnica usa ondas de rádio de alta energia que produzem calor na sua extremidade. Uma fina sonda é inserida até o tumor que destrói as células cancerosas quando aquecida.

A técnica de ablação, como as outras técnicas, pode evoluir com complicações e destacamos os sangramentos e/ou danos aos rins e órgãos próximos.

 

A Vigilância Ativa é uma abordagem possível que pode ser indicada para pacientes idosos, com condições clínicas desfavoráveis, em tumores pequenos de baixa agressividade. E para isso uma biópsia pode ser realizada visando caracterizar se a lesão é benigna ou malignas, além de identificar o grau de agressividade das células cancerígenas.

Quando a doença é diagnosticada em estágio avançado geralmente é tratada por terapias direcionadas, uma vez que a quimioterapia pode ser ineficaz.

 

A terapia direcionada utiliza medicamentos que bloqueiam a angiogênese (crescimento dos novos vasos sanguíneos que nutrem o câncer) ou proteínas importantes nas células cancerígenas (chamadas tirosina quinases) que estimulam o crescimento e sobrevida tumoral.

 

A evolução dessa neoplasia é imprevisível e alguns tipos tumorais são muito agressivos, enquanto outros podem ter um crescimento extremamente lento. O importante é fazer o diagnóstico em estágios iniciais do câncer renal, uma vez que ainda não existem maneiras de evitá-los e a taxa de sobrevida é significativa nessa condição. Converse com o seu Urologista regularmente visando medidas preventivas. Previna-se!

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicações do texto

Veja também

TOPO

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

*Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

*Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

*Residência Em Urologia pelo Instituto de Urologia e Nefrologia de São José do Rio Preto

*Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

*Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

*Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereços:
Consultório
Rua Cantagalo, 692
Tatuapé, 03319-000
São Paulo - SP - Brasil