Câncer de Pênis

Esse tumor representa 2% de todos os cânceres no sexo masculino...

Por Marco Lipay - São Paulo, SP

Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), em 2018, 454 homens morreram no Brasil em razão do câncer de pênis. Esse tumor representa 2% de todos os cânceres no sexo masculino, com maior incidência nas regiões Norte e Nordeste. Segundo a American Cancer Society, ocorrerão 2.200 novos casos e 440 mortes por câncer de pênis nos Estados Unidos em 2020.

 

A causa do câncer de pênis não é conhecida e não existe exames de rastreamento para o diagnóstico precoce, mas muitos destes cânceres podem ser diagnosticados em estágios iniciais e assim evitar metástases (doença em qualquer parte do corpo). Normalmente a maioria dos cânceres penianos começa na glande ou na pele do pênis. As lesões que começam sob o prepúcio podem não ser identificadas no seu início, especialmente se um homem tem fimose.

 

Os homens, devem procurar um médico em casos de lesões (dolorosa ou não) na glande, prepúcio ou pele do pênis. Os primeiros sinais de câncer peniano podem incluir: feridas, manchas (brancas ou vermelhas), pele espessada, secreções com ou sem odor, úlceras que pode sangrar, crostas, caroços no pênis e/ou gânglios inguinais (ínguas na virilha). Lesões que persistam por mais de quatro semanas devem ser examinadas por um médico.

 

A maioria das lesões no pênis não é maligna, mas podem ser causadas por uma infecção ou algumas outra doenças que precisa ser tratada. Na hipótese de um câncer ser diagnosticado precocemente, muitas vezes é removido com pouco ou nenhum dano, mas se for diagnosticado tardiamente, parte ou todo o pênis poderá ser removido. Em situações mais avançadas, até o escroto pode ser extraído como forma de tratamento. Cânceres avançados, geralmente são invasivos e até fatais.

 

Segundo o INCA e o Ministério da Saúde, os fatores de riscos que aumentam as chances de desenvolver a neoplasia peniana são: baixa condições socioeconômica e de instrução, higiene intima precária, prepúcio estreito, homens que não foram submetidos a circuncisão  (remoção do prepúcio, a pele que reveste a glande – a “cabeça” do pênis) e o HPV (papiloma vírus humano). Existem estudos que sugerem associação entre infecção pelo vírus HPV e o câncer de pênis.

 

O diagnóstico inicia-se no consultório após uma consulta médica com o exame do pênis, escroto e virilha. Diante de uma lesão sugestiva de câncer o médico indica uma biópsia (retirada de fragmento do tecido) que será analisada finalizando o diagnóstico. Após recebe o diagnóstico do câncer o paciente poderá ser submetido a exames de imagem como: Rx, Ultrassom, Tomografia e Ressonância, dependendo dos achados clínicos, visando dimensionar a extensão da doença (estadiamento).

 

A cirurgia é a primeira opção de tratamento e muitas vezes é eficaz em estágios iniciais, mas quando a neoplasia esta avançada, será necessário, além da cirurgia, submeter o paciente a radioterapia e quimioterapia. E diante da necessidade de amputação parcial ou total do pênis, o homem fatalmente apresentará consequências físicas, sexuais e psicológicas.

 

O melhor tratamento é a prevenção e, portanto, recomenda-se a higiene diária dos genitais externos com água e sabão, bem como após o ato sexual e/ou masturbações. Outras medidas também são sugeridas como não fumar, submeter-se a cirurgia da fimose (quando o prepúcio for estreito e/ou não expor a glande), fazer uso de preservativos, além de receber a vacina do HPV, quando indicada. Na dúvida,consulte o seu Urologista.

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicação do texto

Veja também

Cálculo Renal

Dados apresentados pela Sociedade Brasileira de Urologia Secção São Paulo, no último mês, mostram que os cálculos renais são altamente prevalentes em todo o mundo e vem aumentando nos últimos anos devido as mudanças de hábitos.

Disfunção Erétil

Há praticamente 30 anos, a disfunção erétil (DE) é reconhecida como um problema de saúde masculina, considera-se até mesmo como um marcador ou indicador para outras doenças. O paciente vai ao consultório do Urologista com queixas de falha de ereção e o médico descobre outras doenças.

HPV

Dados do Ministério da Saúde mostram que aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo têm HPV e dessa população, estima-se que um terço estão infectadas pelo subtipo 16 e 18 e são estes, os tipos virais, que desenvolvem a maioria dos casos de câncer de colo do útero.

urologia

MarcoLipay

agende uma consulta

Topo

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

 

Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Residência em Urol. pelo Instituto de Urol. e Nefrologia de SJRPA

Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereço:
 

Consultório

Rua Cantagalo, 692

Tatuapé, 03319-000

São Paulo - SP