CÂNCER DE ADRENAL

Câncer de Adrenal: saiba mais a respeito e veja os tratamentos

  Por Marco Lipay - São Paulo, SP

O Câncer de Adrenal ou Suprarrenal é um tumor raro, com incidência anual de 2 casos/1.000.000 habitantes (0,02% de todas neoplasias, 0,2% dos óbitos por câncer). Incide em ambos os sexos, com predomínio em três fases da vida (em crianças de 1 e 2 anos, 7 e 16 anos, e mais comumente em adultos na 5ª década de vida). A causa do câncer de adrenal não é conhecida e os fatores de riscos não são precisos, portanto, não é possível fazer o rastreamento da doença. Muitos dos diagnósticos na vida adulta são realizados quando o paciente é submetido a um exame de imagem para um “check-up” ou na investigação de uma outra doença.

 

As glândulas suprarrenais são duas e estão localizadas imediatamente acima dos rins e pode ser dividida em  duas partes, cortical e medular.

 

A porção externa ou cortical é o local em que ocorre a produção de hormônios conhecidos como esteroides, a saber:

• Cortisol: controla o metabolismo orgânico e auxilia o corpo a lidar com o estresse.

• Aldosterona: ajuda os rins a regular a pressão arterial e a quantidade de sal no sangue.

• Andrógenos: podem ser convertidos em formas mais comuns dos hormônios sexuais como estrogênio (feminino) e testosterona (masculino) em outras partes do corpo, mas em menor quantidade que os hormônios produzidos pelos testículos nos homens e ovários nas mulheres.

 

É na região do córtex que a maioria dos tumores de adrenal se desenvolve.

 

A parte interna da glândula suprarrenal, conhecida como medular, é o local do corpo em que se produzem hormônios como norepinefrina e epinefrina (também chamado de adrenalina). Estes atuam diretamente sobre o sistema cardiovascular e renal (controlando a frequência cardíaca, pressão arterial e homeostase dos fluidos corporais).

 

Os tumores da adrenal, na região medular podem ser benignos (feocromocitomas) ou malignos (neuroblastomas), enquanto na porção cortical os tumores benignos são conhecidos como adenomas, e os malignos são denominados de carcinomas.

 

Os sinais e sintomas dos tumores na região cortical da adrenal estão relacionados ao descontrole na produção de hormônios (andrógeno ou estrogênio).  Em meninos pode-se observar o crescimento excessivo de pêlos em face, púbis e axila. Os hormônios masculinos podem desenvolver precocemente o pênis em meninos ou o clitóris em meninas.  Nas meninas podem desencadear o desenvolvimento dos seios e aparecimento de ciclos menstruais. Tumores produtores de estrogênio também podem aumentar os seios em meninos. Nos adultos esses sintomas são menos perceptíveis considerando que os pacientes já passaram pela puberdade e têm caracteres sexuais definidos, exceto quando produz em excesso o hormônio do sexo oposto. Os níveis excessivos de cortisol podem desencadear a Síndrome de Cushing e os possíveis sinais e sintomas são:

• Ganho de peso, com alargamento da região cervical, abdome e na área das bochechas (face da lua)

• Estrias roxas no abdômen

• Crescimento excessivo do cabelo no rosto, braços, peito e nas costas das mulheres

• Irregularidades menstruais

• Fraqueza e perda de massa muscular nas pernas

• Depressão e/ou mau humor

• Ossos enfraquecidos (osteoporose) que podem levar a fraturas

• Altos níveis de açúcar no sangue, muitas vezes levando ao diabetes

• Pressão alta

 

Os principais sinais e sintomas causados por tumores de adrenal  produtores de Aldosterona são:

• Pressão alta

• Fraqueza

• Cãibras musculares

• Baixos níveis de potássio no sangue

 

Os canceres de suprarrenal podem se manifestar tardiamente, quando o tumor já é grande o suficiente para pressionar órgãos adjacentes à lesão primária ou metastática.

 

O diagnóstico inclui uma consulta e um exame físico detalhado, procurando identificar sinais e sintomas sugestivos de tumores da adrenal. Exames de sangue e urina (específicos) serão solicitados, além de exames de imagem como Raio-X, Ultrassom, Tomografia, Ressonância ou Tomografia de emissão de pósitrons (PET).

 

A maioria dos cânceres de córtex adrenal não são herdados, são esporádicos, mas alguns são causados por um defeito genético (em até 15%). Essa situação é mais comum em cânceres de suprarrenais em crianças. Citamos algumas  Síndromes que podem levar ao câncer da adrenal: Li-Fraumeni, Beckwith-Wiedemann, Neoplasia endócrina múltipla (MEN1), polipose adenomatosa familiar (FAP) e Síndrome de Lynch ou câncer colorretal não-policísto hereditário (HNPCC). Nestas situações recomenda-se o aconselhamento genético visando um melhor rastreamento e acompanhamento evolutivo da neoplasia.

 

Confirmado o diagnóstico, indica-se o tratamento que inclui uma ou mais modalidades terapêuticas: cirurgia, radioterapia e/ou quimioterapia. Quando os tumores são encontrados precocemente há chances de cura, mas se o câncer se espalhou por áreas além da glândula adrenal, a cura torna-se pouco provável. Nesta situação o tratamento pode ser indicado para retardar a progressão ou recorrência da neoplasia e melhorar a qualidade de vida do paciente. Na dúvida procure o seu médico.

 

 

Dr Marco Lipay

Doutor em Cirurgia (Urologia) pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo)

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Publicações do texto

Veja também

Câncer de Rim

Os rins são órgãos de cor vermelho escuro, semelhantes a feijões pesando aproximadamente 150g e estão localizados na porção superior da região lombar.

Varicocele

A Varicocele é a dilatação das veias dos testículos (espermáticas) e pode estar presente em até 30% da população masculina em geral.

Reposição Hormonal

A testosterona é o hormônio predominante no sexo masculino e está envolvida em uma infinidade de processos fisiológicos e bioquímicos. É mais conhecido pela ação sobre o desenvolvimento e manutenção das características sexuais masculinas.

TOP

TOP

TOP

TOP

TOPO

TOP

urologia

MarcoLipay

agende uma consulta

Topo

Links Rápidos:
Dr Marco Lipay:

 

Doutor em Cirurgia - Urologia - pela Universidade Federal de São Paulo

Titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia

Residência em Urol. pelo Instituto de Urol. e Nefrologia de SJRPA

Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva

Autor do Livro Genética Oncológica Aplicada a Urologia

Membro Correspondente da Associação Americana de Urologia

Endereço:
 

Consultório

Rua Cantagalo, 692

Tatuapé, 03319-000

São Paulo - SP